quarta-feira, 2 de maio de 2012

Acabaram as palavras


Não tenho mais palavras,
por isso remeto-me ao silêncio
dos meus dias cansados.
Calaram-se todas,
deixando-me nesta masmorra
triste e solitária.
Abro os braços ante a desertificação
procurando ajuda ou apoio.
Mas o vazio da voz dói-me na alma.
Abro a boca para falar
mas o som é mudo
e sofre ante a minha impotência.
Arre! Quero gritar e não posso!
Palavras prisioneiras da mente,
incontactáveis, sem futuro, sem presente.
Acabaram as palavras todas,
as de amor e as de dor,
as de jubilo e as de raiva.
Silenciaram-se,
emudeceram
prisioneiras em mim.
Os sentimentos remetidos ao silêncio
são vazios opressores
que doem na garganta.
Acabaram as palavras todas...

11 comentários:

  1. Linda poesia expressando o sentimento de impotência, quando tudo parece estar "girando" ao nosso lado e até as palavras somem, ficamos mudos...

    Linda inspiração! beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Quando comecei a ler este belo poema, associei.. " ... já não tenho mais palavras, meu amor!"
    Muito triste e muito lindo.
    Bj

    ResponderEliminar
  3. Oi Celia,
    Poema triste e dolorido... sei bem o que vc está dizendo, já passei por isto. O poema é perfeito.
    Beijos 1000 e um meio de semana maravilhoso para vc.

    SORTEIO “Chá do Chapeleiro Maluco”
    http://www.gosto-disto.com/2012/04/sorteio-cha-do-chapeleiro-maluco.html

    ResponderEliminar
  4. oi Célia,

    quantas vezes o grito fica preso em nossa garganta,
    falta-nos o ar necessário pra ele sair,
    as palavras em desacordo com nossos pensamentos desaparecem para fazer companhia ao silêncio...

    muito lindo!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Oi Célia,

    É um momento de agonia quando as palavras silenciam e ficam presas em nossa garganta. Ficar em silêncio quando as palavras gritam em nossa mente é sufocante.

    Lindo o poema.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Muitas vezes faltam palavras.
    As expressões falam sozinhas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Emudeceste*...é triste quando o silêncio causa esse vazio*, próprio de um ser solitário; hoje esse poema caiu como luva pra mim; é assim que me sinto. Bjus, Mery*

    ResponderEliminar
  8. Um belo e forte poema Célia, é triste quando as palavras acabam, quando esgotamos tudo e de um tudo tentamos, triste, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  9. Bom dia!
    Muitas vezes prefiro falar com os olhos.Em certos casos um olhar diz tudo.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderEliminar
  10. Obrigado pelo carinho.Lindo fds!beijos,chica

    ResponderEliminar
  11. Célia, tens consciência de como és uma privilegiada?
    Aproveita, amiga.
    Beijo

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...