sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Pátria morta



Depois de tanto tempo sem aparecer, aqui estou eu, esperando que seja novamente para ficar. 
Primeiro foi o ano cansativo de trabalho que tive. Depois das férias, foi o ser confrontada com a possibilidade de ficar sem emprego... 
Só agora, já com algumas garantias, me senti com forças para regressar. 
Estive tão triste que nem escrever conseguia. Só espero que a inspiração não se tenha esvaído com a tristeza de sentir que o meu querido país sentiu, depois de 21 anos de trabalho, que não fazia falta e que podia perfeitamente ficar sem trabalho. É triste toda a situação, os mega-agrupamentos de escolas, em que é quase impossível a uma só direção manter um ensino personalizado e de qualidade. O que interessa é a quantidade que podem poupar. Então, junta-se uma panóplia de escolas e, consequentemente, reduzem-se assistentes operacionais, professores, as turmas aumentam, e as escolinhas quase caseiras que tínhamos tornam-se fábricas de alunos em que o que interessa verdadeiramente não são os alunos e sim a economia do país. Se é preciso uma injeção de capital no país, então por que não mandar para a rua milhares de funcionários? É este o país da treta em que agora estou, e é triste quando nos sentimos a mais na nossa escola, no nosso país, quando onde há realmente gente a mais é na política!
Na minha escola, que era uma escola básica de 2º e 3º ciclo, nunca tive horário zero. Na escola ao lado, a secundária, quase sempre houve dois horários zero no nosso grupo de português. Ao juntarem as escolas, a nossa ficou, evidentemente, prejudicada. É muito triste e injusto. 
Não sei é como conseguem dormir os nossos políticos sem se preocuparem com o facto de deixarem tanta gente sem emprego, nomeadamente famílias com filhos menores dependentes. Provavelmente, a instabilidade que os nossos filhos sentem em nós, ir-se-á refletir neles, e cedo começa a revolta, palavra que as crianças nem deviam conhecer, mas que muito novas vão descobrindo à força e com a política que temos. Onde está a esperança? Já não é possível às crianças de hoje viverem na ilusão das histórias de encantar, quando veem destruir todos os castelos em seu redor. É este o país/mundo que queremos? Mas é este o país/mundo que temos!

Desilusão

O que há em mim hoje
é a solidão existencial
que me deixa à deriva.
Procuro-me no vazio
e encontro o nada.

Há momentos na vida
em que somos soldados da paz,
espalhamos amor,
vivemos amizades,
partilhamos respeito,
proclamamos fé,
seguros de nós,
autoconfiantes.

As dúvidas derrubam-nos
as certezas que se tornam questionáveis.
Demoramos anos a acreditar
em coisas que, num minuto,
perdem a credibilidade.

Vem a ansiedade
semear na alma o desespero.
Vem a angústia
questionar a fé
e pô-la à prova.
Vem a desilusão,
qual vendaval,
levar o amor
soprando-o até ao abandono.
Vem a falsidade
qual sismo
abrir fundas fendas
no sentido
da própria vida.
Vem a insegurança
roubar a autoconfiança,
deixar o ser na solidão.
O ser antes confiante
é hoje alguém que jaz,
só, triste e errante.

E o soldado da paz
deposita as armas no chão,
cansado de lutar sozinho
por uma causa que cria nobre,
mas que não passa de causa vã.


                 Pátria morta

Quando penso no meu querido País,
relembro um passado vitorioso,
heróis com grandes feitos gloriosos,
construíram uma Pátria feliz.


Orgulho retratado n'Os Lusíadas 
pelo grandioso poeta Camões,
qual Nação escolhida que elegias
p'ra enaltecer a maior das Nações.


Mas os heróis caíram por terra,
rendidos numa nação sem esperança,
personagens de quem já nada espera.


Tão somente o desespero e a derrota
que levam ao crime e insegurança,
deixando-nos uma pátria morta!


12 comentários:

  1. Poesias lindas, fortes como a situação requer...

    Fico feliz em te ver voltando, esperando que seja mesmo para sempre, como antes...

    Quanto à situação, é triste mesmo,eles brincam com as pessoas ,famílias, não pensam em nada que não seja garantir O DELES... Incrível, triste a situação. Ainda bem que conseguiste, me parece, garantir o teu emprego. Essas coisas são revoltantes...

    Até quando?

    O que sobra para os jovens? Muito cruel. Esperando que as coisas melhorem , te mando um beijo e os desejos de tuuuuuuuuuuuuuudo de bom! chica

    ResponderEliminar
  2. Oi Célia, coincidentemente acabo de vir da casa onde deixo minha filha todos os dias para trabalhar, acabo de saber que a prefeitura a notificou e que ela não pode cuidar de crianças, oras que absurdo o governo o estado ou municipio não nos da creche e escolas sufucientes e nem todas capazes e não nos deixa escolher com quem deixar nossos filhos! é falta do que fazer, já não sabem da onde mais tirar dinheiro para roubar ai procuram até da educação...dinheiro tem mas vai para os bolsos deles, que país é este.

    Parabéns seu texto ta lindo espero que vc volte logo com mais como estes

    bjs

    Gélia

    euquefizouquaseisso.blogspot.com.br

    ResponderEliminar

  3. Olá Célia,

    Bem vinda de volta.
    Os versos retratam bem a desilusão provocada pelo quadro que você narrou.
    Nossa política é mesmo podre. Também aqui no Brasil a situação é de desalento no que pertine à saúde, educação e violência. Os políticos não honram suas promessas de campanha, esquecem a ética e somente se preocupam em locupletar-se à custa do povo.
    Não perca a fé em dias melhores. É o que nos dá ânimo para continuar lutando por um país melhor para os nossos filhos e netos.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Professora Célia bom dia!
    Senti sua falta; fico feliz que tenha voltado.
    Olha quanto as injustiças sociais e as faltas de esperança nos trabalho dentro da area educacional-politica, infelimente é uma ardua realidade nossa!Porém é o professor o unico ser que acredita em todo esse processo, pois professores sempre serão professores!
    Espero que tudo se reorganize ai, e quero dizer-te que as palavras ainda estão contigo, é só escreve-las; já a tristeza você a colocou para fora, assim sendo ela não está mais com você.
    Força e luz, paz e prosperidade é o que lhe desejo!
    Vai dar certo, você é professora!
    Uma semana iluminada.
    Um grande abraço !

    ResponderEliminar
  5. Célia, minha amiga, como entendo o teu desânimo, a tua frustração, a tua revolta. Como foi possível chegarmos a isto?
    Apetece dizer que este país não merece os profissionais (professores) que tem.

    Espero, sinceramente, que a tua situação se estabilize!
    Torço muito por ti.
    Um grande beijo da Nina

    ResponderEliminar
  6. OI CÉLIA!
    ACHEI TRISTE TUA NARRAÇÃO, POIS TUDO O QUE QUEREMOS É UMA PÁTRIA MÃE, COM OPORTUNIDADES PARA TODOS, COM DIGNIDADE PARA QUEM TRABALHA E EMPREGOS PARA QUEM QUER TRABALHAR...
    QUANDO NÃO É ASSIM, GERA UMA INSATISFAÇÃO UMA ENERGIA RUIM QUE ATINGE A TODOS E CADA VEZ AS COISAS SE TORNAM PIORES.
    MEUS FILHOS SÃO ADULTOS, MAS SE OS TIVESSE AINDA PEQUENOS FICARIA MUITO APREENSIVA QUANTO AO FUTURO QUE OS ESPERARIA.
    TOMARA QUE TUDO MELHORE, QUE O POVO SE MOBILIZE E LUTE, É O ÚNICO CAMINHO PARA ESTES POLÍTICOS SABEREM QUE ESTAMOS INSATISFEITOS.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Sim Célia você expressou muito bem o teu sentimento nestas duas poesias, é inacreditável, em meu país a situação não é diferente, triste situação, não sabemos mais em quem acreditar. Mas Célia não pode desanimar, pelo teu grande amor a tua pátria reuna forças e tente levar o que há de melhor em você, não se deixe contaminar, por você, pela tua família e principalmente pelos pequenos seus alunos que merecem ter o melhor, atualmente o teu governo não quer dar o melhor a eles, mas pessoas como você de princípios e bases sólidas podem fazê-lo e o segredo para conseguir é este amor imenso que sentes. Estou feliz com tua volta, mais feliz ainda por ter ido em minha casinha na net, aprendi a te admirar e gostar de você, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  8. Há tanta gente em risco de perder o seu trabalho... isto está a tornar-se impossível.
    Gostei dos poemas, são magnífuicos.
    Também gostei do teu blogue, que encontrei por mero acaso.
    Célia, tem um bom domingo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. ♪♫° ·.
    Como entendo o que tu falas!
    Desde criança que sinto e vejo isso aqui!
    É terrível que nunca mude, sempre políticos corruptos a infernizar nossas vidas!

    Boa semana!
    Beijinhos do Brasil.
    ♪♫° ·.
    º° ✿✿ ·.

    ResponderEliminar
  10. Voltei pra agradecer e desejar uma linda semana! beijos,tuuuuuuuuuudo de bom,chica

    ResponderEliminar

  11. Olá Célia,

    Feliz dia e ótima semana.
    Obrigada pela gentileza e carinho da visita.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Célia eu sei , que fui afastando das pessoas a quem tanto carinho
    sempre tive aqui não foi diferente.
    Vou levar seu link assim poderei estar aqui sempre.
    Um abraço e minha eterna saudade,Evanir.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...