sábado, 2 de abril de 2011

Quero ser...


(imagem do Google)

Os meus pensamentos já me fogem,
enveredam pela floresta
sombria da dor,
mergulhando na mágoa e na ausência.
A saudade fere a alma,
deixando-a tatuada de cicatrizes.
A perda é um sentimento único
que nos deixa à deriva
que nos faz sentir ínfimas
partículas de um mundo perene.

Quem somos? Seremos alguma coisa?
Que importa o que somos
se o que seremos não é nada?

Para quê a arrogância?
Por quê a superioridade manifestada,
se o que seremos não é nada?

Quero deixar para sempre
esta floresta sombria,
abrir a janela à esperança
e viver cada momento
com a plenitude da minha alma,
com a magia da primeira entrega!

Quero ser
porque o que serei não é nada.
                                    Célia Gil

2 comentários:

  1. Lindo poema amiga...brilhante reflexão. Adorei.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelo seu comentário! O seu blog está maravilhoso!
    Bjs

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...