terça-feira, 27 de março de 2018

Doida Não e Não!

Célia Gil

Gonzaga, Manuela (2009). Maria Adelaide Coelho da Cunha: Doida Não e Não!. Lisboa: Bertrand Editora.



De um grande rigor histórico, documentado de forma  precisa, este romance aborda a história de Maria Adelaide Coelho da Cunha, filha e herdeira de Eduardo Coelho, fundador do Diário de Notícias. Casada com o administrador deste jornal, Alfredo da Cunha, ela e o marido ocupavam um lugar de prestígio na sociedade da época, organizando grandes festas, onde Maria Adelaide, uma mulher de uma elegância exemplar, representava e declamava textos do marido. Nestas festas recebiam nomes notáveis da cultura do seu tempo, de entre os quais Oliveira Martins, Ramalho Ortigão, Eça de Queirós, Teófilo Braga e Antero de Quental.
Viajavam juntos, com alguma frequência, para o estrangeiro e, mesmo, por Portugal, onde conheceu um pouco de todo o país, como Tomar, Coimbra, Penacova, Abrantes, Lousã, Pedras Salgadas, Oliveira de Azeméis, Entre-os-Rios, Viseu e Fundão.
Apesar desta vida de azáfama e boémia, Maria Adelaide não era feliz e ressentia-se com as atitudes pouco delicadas do marido, homem seco e arrogante.
Maria Adelaide acaba por se apaixonar pelo seu motorista, Manuel Cardoso Claro, que a admirava pela sua bondade, sempre cuidadosa e vigilante com o bem-estar dos seus serviçais, acabando, em 1919, por prescindir de toda a sua riqueza, palácio lisboeta, fortuna e vida social para fugir com ele para Santa Comba Dão, passando a ter uma vida modesta e simples, muito diferente da que tivera até então.
Porém, o seu romance idílico não durou muito, pois Alfredo da Cunha cedo descobriu onde ela se encontrava e a mandou ir buscar, com o filho e um agente da polícia de investigação.
Onze dias depois da fuga, Maria Adelaide era internada pelo marido no Hospital Conde de Ferreira, no Porto. Era mais fácil dá-la como louca para justificar as suas atitudes perante a sociedade, do que aceitar as suas decisões, que constituíam um escândalo para a época.
Maria Adelaide consegue, ainda, numa determinada ocasião, fugir do manicómio e recolher-se numa aldeia do concelho de Castro Daire, com Manuel Claro, onde foi muito bem tratada pela família deste. Mas também aí o marido a descobriu.
Foi, então, no regresso ao Conde de Ferreira, que se viu encarcerada num quarto minúsculo, sem poder fazer rigorosamente nada e onde desejou, muitas vezes, a morte, que seria menos cruel do que a vida que arrastava naquele quarto, onde ficaria presa durante muito tempo. Quanto a Manuel Claro, foi preso por rapto.
Alfredo da Cunha, o marido, facultou toda a documentação necessária para constar de um livro sem autoria, Infelizmente Louca, que contou com atestados dos médicos Júlio de Matos, Egas Moniz e Sobral Cid, bem como com vários depoimentos (alguns deles falsos) que instigariam no público uma onda de solidariedade para com o marido abandonado.
Mas Maria Adelaide é uma mulher forte, que de doida tem muito pouco. São as suas convicções que não a deixam desistir.
Terá ela conseguido libertar-se do cárcere a que foi sujeita pelo seu “crime de amor”? Até que ponto, na época, os manicómios não serviam para “calar” todos os que ousassem seguir padrões de comportamento considerados reprováveis nas famílias influentes da época?
Uma história com história, fascinante e envolvente, que documenta a desigualdade de género, a coragem de uma mulher que segue as suas paixões e convicções, um exemplo de coragem, que não aceita o destino que lhe foi traçado pelo marido e que ergue a sua voz para dizer Não, "Doida Não e Não!”.
                                                                                                       Célia Gil

Manuela Gonzaga tem uma marca muito forte no campo das biografias – de que esta é uma referência exemplar. A autora, presença igualmente reconhecida na literatura juvenil, no romance, nos contos e até no ensaio, é natural do Porto. Tem diversas obras publicadas que vão desde o romance histórico (Jardins Secretos de Lisboa) à primeira e única biografia de António Variações, referenciada em Estudos Portugueses em várias universidades. A sua obra está traduzida e editada em francês pela Poisson Volant. Historiadora com o grau de mestre em História pela Universidade Nova de Lisboa, Manuela Gonzaga tem quatro filhos e três netos. Paralelamente, tem erguido a sua voz pela causa animal e pela causa ambiental, dedicando-se igualmente a atividades no campo dos direitos humanos.


sábado, 17 de março de 2018

Dia perfeito

Célia Gil
      Dia gelado. À volta apenas se vislumbram serras cobertas de uma neve branco algodão. Talvez, o dia perfeito. Perfeito para quê? Perfeito para quem? 
      O dia perfeito para amar, para sonhar, para viver!
     Perfeito para quem vive nas nuvens, quem ainda tem sonhos de tonalidade azul, quem continua apaixonado pela vida, quem concebe objetivos ao virar da página de cada novo dia. Um dia perfeito para quem ainda se espanta com o branco algodão da neve, apesar de ser o mesmo de todos os anos. 
     Perfeito porque deslumbra todos os corações que ainda sentem, que continuam a palpitar com os pequenos acontecimentos do dia a dia, que têm ilusões a latejar de vida nas pulsações, que gritam, que riem, que estão vivos!
     Mas até nos dias perfeitos, há alguém que chora baixinho, que se encosta  às paredes do ontem, recusando aceitar que a vida é uma dádiva e que a cada um compete vivê-la o melhor possível.
    E nestes dias perfeitos, há quem sofra, numa solidão que abraça, domina e esvazia, numa solidão que não se acalma com o branco algodão da neve. Cujo coração tirita de frio, de saudade e de dor. 
     Nestes dias perfeitos, há não vidas que continuam uma não luta à espera de um não fim. Luta de quem desespera pela espera, da qual já nada espera. 
     Contudo, não deixa de ser um dia perfeito. Mais um dia perfeito!
                                                                                                                  Célia Gil

                                                      (https://unsplash.com/search/photos/snow)

     

terça-feira, 6 de março de 2018

Inverno na alma

Célia Gil


Na minha alma nem sempre
o sol irrompe em raios de sedução,
quando a esperança se desfaz na mente
e ficam as cinzas da desilusão.

Na minha alma nem sempre
a primavera me coroa de flores.
Murcha em mim a pequena semente
do amor e restam resignados rancores.

Na minha alma nem sempre
sopra a brisa da madrugada.
Desfolham-se as flores de quem sente,
com os ventos que sopram em rajada.

E chove, chove tanto no meu rosto...
Uma chuva miudinha que entranha
e vai deixando frio o meu desgosto,
até de mim me sentir estranha.
                                                 Célia Gil

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim