domingo, 24 de novembro de 2019

Teoria Geral do Esquecimento, José Eduardo Agualusa

Célia Gil

Agualusa, José Eduardo (2012). Teoria Geral do Esquecimento. Alfragide: Publicações Dom Quixote.        

Teoria Geral do Esquecimento é um romance de José Eduardo Agualusa, que nos abana e nos deixa a “matutar”. Uma prosa que, apesar de retratar um assunto sério e dramático, nos chega numa linguagem repleta de ritmo, vivacidade e melodia, uma poesia "chapada", crua, mas, ao mesmo tempo, de uma sensibilidade inigualável.
As histórias que integram este livro, aparentemente sem correlação, estão intimamente ligadas numa laboriosa intriga. E o que parece confuso, acaba por fazer muito sentido.
Tudo se passa num contexto histórico real, em Luanda de 1975, dias antes da independência, depois de 500 anos de colonização, à qual não se seguiu a paz, mas uma guerra civil que perduraria por muitos anos.
É neste contexto que conhecemos Ludovina, apelidada de Ludo, uma portuguesa que terá ido morar para Luanda com a irmã e o cunhado. Quando estes fogem para Portugal, Ludo fica sozinha e apavorada. Resolve então construir uma parede na porta do seu apartamento, que a isolaria do mundo e evitar que a sua casa seja invadida. Fica prisioneira na sua própria casa, durante mais de 30 anos, em que, e passo a citar “Os dias deslizam como se fossem líquidos”, enquanto lá fora continuava a guerra. Com ela tem apenas o seu cão, o Fantasma, uma grande biblioteca e um terraço onde cultiva para sobreviver ou apanha pombos para comer.
Mas neste isolamento há acontecimentos externos que lhe entrarão pelo terraço e pela vida adentro: um pombo com uma mensagem de amor, um macaco, um ladrão…Será que Ludo é resgatada desta solidão em que se enclausurou? Será ela capaz de regressar ao mundo, depois de uma vida fechada naquele apartamento? Muito provavelmente, nem estaria sozinha no mundo…
Este autoemparedamento de Ludo, esta guerra íntima, constitui uma intensa metáfora, de um país preso nas suas próprias paredes de uma guerra civil interminável e que nunca o deixou ser totalmente livre e ver o mundo para além de um cano de uma espingarda. Uma parábola sobre a sobrevivência e o medo, repleta de frases que ficam. E passo a citar:

“Sinto medo do que está para além das janelas, do ar que entra às golfadas, e dos ruídos que traz. (…) Sou estrangeira de tudo, como uma ave caída na correnteza de um rio.”
“No pátio, onde surgiu a lagoa, existe uma árvore enorme. Descobri, consultando na biblioteca um livro sobre flora angolana, que se trata de uma mulemba. Em Angola é considerada a árvore real, ou árvore da palavra, porque os sobas e os seus makotas se costumavam reunir à sombra delas para discutir os problemas da tribo.”

                                                                                                    Célia Gil

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Um Lugar Chamado Angola, Karla Suárez

Célia Gil

Suárez, Karla (2017). Um Lugar Chamado Angola. Porto: Porto Editora


Um Lugar Chamado Angola é um livro escrito por Karla Suárez de Havana, que recebeu os prémios Prix Carbé de la Caribe e Grand Prix du Livre Insulaire, em França. É coordenadora do clube de leitura do Instituto Cervantes e professora de escrita criativa na Escola de Escritores de Madrid. Foi traduzido por Helena Pitta.

Este livro conta-nos a história de Ernesto, de apenas 12 anos, filho de um herói da pátria cubana, que morreu na guerra em Angola. Esse episódio marca a sua vida para sempre. Como o pai lhe dissera que um homem não chora, conteve a dor no seu peito, vê-se consumido por este passado ao longo da vida. Trinta anos após a morte do pai, em Lisboa, Ernesto conhece um homem, Berto, também ele cubano e ex-combatente na mesma época e no mesmo cenário do pai. Torna-se, pois, importantíssimo para Ernesto que quer compreender o que fora a presença de Cuba em Angola.

Quanto mais investigava e escrevia no seu blogue, mais difícil era para Ernesto compreender o que se passara, com reações e relatos diferentes que ia recebendo. Decide então viajar para Luanda à procura de respostas e reconstruir a morte do pai. Percebe que nem tudo foi como ele imaginara.

Com frases intensas, como e passo a citar “As guerras são um estranho animal mutante, que se espalha, sondando novos territórios à procura de bolsas de oxigénio para sobreviver. África tinha-as, por isso, friamente e devagar, o monstro que mais tarde explodiria, maculando tudo, começou por se instalar aí, e foi abrindo caminho até chegar à nossa porta, à porta da minha própria casa”. Numa linguagem feita de recuos e avanços, Um Lugar Chamado Angola, de Karla Suárez, é o primeiro romance sobre a presença cubana em Angola, e que é a minha sugestão de leitura desta semana. 
                                                                                                                        Célia Gil

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim