sexta-feira, 8 de julho de 2011

Conto infantil - lealdade canina

Anoiteceu de repente
quando o sol se escondeu
na encosta para sempre
e tudo escureceu.

Os donos da casa fugiram
o pior logo temendo.
Sendo pleno dia sentiram
que algo estava acontecendo.

À luz da vela, pelo meio dia
aos céus ergueram cântico profundo.
Mas, entretanto já a Lurdes dizia
“Ai homem, que é o fim do mundo!”


O cão, logo em grande ansiedade,
não ficou de patas cruzadas,
foi anunciar às éguas a novidade,
deixando-as muito preocupadas.




O cão logo ali reuniu
todos os animais da herdade
e cada um sugeriu
que se descobrisse a verdade.

 
“Anoiteceu porque o sol
quis mais cedo se deitar”
sugeriu o caracol
cansado até de falar.



“O sol resolveu esconder-se
para mais estrelas chocar”
disse a galinha a meter-se
sem saber do que estava a falar.








“Para mim, o sol adoeceu
e está apenas a descansar”
afirmou o papagaio Dirceu
que gosta muito de opinar.

“Eu julgo que ele foi guloso
comeu todas as nuvens doces do céu”,
disse o gato Charmoso
a pensar no irresistível pitéu.

“Não digam tantas parvoíces,
o sol zangou-se e fugiu
porque os humanos lhe dão chatices”
respondeu o cão, enquanto sorriu.

Todos ponderaram no que ele disse
e concordaram prontamente,
mas agora a maior chatice
era trazer o sol novamente.

Logo o burro se ofereceu
para ir buscar um escadote,
subiriam ao céu
e meteriam conversa com o atrevidote.

Assim foi, dito e feito,
entre todos arranjaram
maneira de dar um jeito
e o escadote montaram.

Encostado à velha amendoeira,
tiraram à sorte quem iria,
logo o cão tomou a dianteira
e decidiu que ele seria.

Subiu por entre a escuridão
a escada que parecia não ter fim,
enquanto esperavam, ansiosos, no chão,
que o plano não fosse ruim.

Sorrateiro, lá ia o cão,
passo a passo, pata ante pata,
até deixar de ver o chão
e se dirigir ao cimo da escada.


Num canto, enroscado e infeliz,
numa nuvem o sol estava,
chorava como um petiz
o brilho quase lhe faltava.


No seu discurso eloquente,
o cão conseguiu convencê-lo
a voltar, porque toda a gente
queria voltar a vê-lo.

O sol, envergonhado com a sua atitude,
jurou jamais voltar a desaparecer
quando viu a inquietude
de todos quantos queriam vê-lo.

E os donos da casa orando a Deus,
agradeceram o milagre divino,
ignorando que o mérito não era Seu
mas do seu inteligente canino.

E o cão foi pelos animais aclamado
como o chefe da herdade,
por todos foi nomeado
pela coragem e lealdade.



4 comentários:

  1. Que lindo conto!Agrada crianças de todas as idades! beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Uma delícia de ler, apaixonante, parabéns amiga poetisa, amei, beijos!

    ResponderEliminar
  3. Lindo conto! Me encantou Célia!
    Parabéns!
    Beijos!
    Boa noite!
    Carla

    ResponderEliminar
  4. Seja muito bem vinda professora, em agosto estou de volta. Boas férias.
    Um abraço!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...