sábado, 30 de julho de 2011

Lágrimas

Célia Gil
(imagem do Google)

Sempre que o mundo é cruel,
árido e seco,
há em mim uma lágrima
que transborda para o papel.

Sempre que as pessoas são frias,
de sentimentos vazias,
depois de um bom livro ou filme,
há em mim uma lágrima incompreendida
que torna sublime
a alma comovida.

Sempre que me julgam sem razão,
opinam com palavras frias,
há em mim uma lágrima de compaixão
para com essas pessoas vazias.

Por isso mesmo,
a minha lágrima
é de pessoa sadia
de quem sente e tem coração.
Porque a quem não cai lágrima,
é apenas pedra fria,
onde nada nasce,
nada se cria,
tudo definha à sede de emoção.
                                                Célia Gil


Célia Gil / Professora

É professora de português e professora bibliotecária. Gosta de ler e de escrever. Este é o seu espaço de partilha de alguns textos que escreve.

3 comentários:

  1. PRECIOSO POEMA AMIGA, TE FELICITO!!

    UN ABRAZO INMENSO PARA TI...PAT

    ResponderEliminar
  2. Olá,Célia!!

    Ah!Querida, que poesia linda e tão verdadeira!!
    Quem não se comove, tornou-se indiferente, não sente mais...isso é muito triste!
    Eu gosto de dizer o que sinto, de me expressar!
    Faz parte da vida!!
    Beijos
    Lindo sábado pra ti!

    ResponderEliminar
  3. Maravilhosa poesia! Já em casa, vim desejar ótimas férias pra ti!beijos, tudo de bom por lá!chica

    ResponderEliminar

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim