sábado, 11 de fevereiro de 2012

Quando as ilusões desmoronam


(imagem do google)

Durante toda a vida
acumulamos acontecimentos,
colecionamos sentimentos
até que esteja preenchida.
Construímos com eles altos
castelos de ilusão,
enfrentamos sobressaltos
mantendo-os em pé com dedicação.
Se os castelos tendem a desequilibrar-se
amparamo-los, a queda impedindo,
não queremos vê-los desmoronar-se
mas apenas subindo, erigindo...

Mas há um dia em que o vendaval
chega sem sequer avisar,
sem sequer dar sinal
e vira as ilusões de pernas para o ar.
Anos de um lento edificar
que vemos, espalhados pelo chão,
sonhos desfeitos sem nada restar
a não ser a dor da deceção.
E só há de duas uma solução,
escolha difícil, na decisão a tomar,
desistir, ceder, vegetar
ou começar do zero a nossa missão.
Então, há que encarar
o vendaval como uma lição,
o dia a dia será um novo recomeçar,
não o início de uma obrigação.
Para quê erguer novo castelo?
As ilusões não devem ser moldadas.
Para quê viver com excesso de zelo
se as ilusões não se querem aprisionadas?

Cada dia será um novo dia,
um dia para viver a ilusão
que, com um pouco de sabedoria,
voltará a erguer-se do chão.

E quando vier a rajada
do vento da destruição,
descerá em nós qual alvorada
e fará brotar nova ilusão.
Insistente, desprendida, libertada
e preparada, sempre, para nova missão.
                                             Célia Gil

12 comentários:

  1. Os vendavais chegam, nos assolam, assustam...Por isso temos que estar bem firmes em nossas bases...Assim não somos levados...
    LINDO DEMAIS! beijos, saindo ao encontro da natureza,chica

    ResponderEliminar
  2. Nossa. Eu realmente posso dizer que AMEI esse poema.
    Em poucas palavras, soube traduzir o significado e o trajeto da vida, em que há muitas ilusões e outros caminhos, porém sempre haverá um aprendizado por qualquer estrada que percorra.

    Parabéns, muito lindo!

    ResponderEliminar
  3. Querida Célia, bom mesmo é viver o dia a dia sem reservas, sem medos das decepções. Afinal elas fazem parte da vida e acabam por nos tornar mais fortes.
    Beijinhos da Nina

    ResponderEliminar
  4. Assim a nossa vida tem sentido.
    Boa semana!
    Beijinhos.
    Brasil

    (⁀‵⁀,)
    ¸`⋎´
    ¸.•°`♥

    ResponderEliminar
  5. Célia, podemos até saber quando um vendaval vai chegar, mas nunca exatamente a intensidade e nem os estragos que vai deixar. Assim, estruturas firmes é preciso senão o vento arrasa sem dó e piedade, a vida é assim!
    Parabéns pelo belo poema, beijos.

    ResponderEliminar
  6. Olá,Célia!!!

    A benção do recomeço, sempre presente em nossa vida!!!
    As tempestades sempre virão,mas com uma base firme, aprendemos as lições e vamos seguindo sempre em frente!!!
    Beijos minha querida!!!

    ResponderEliminar
  7. Olá Célia, neste fim-de-semana que passou veio um grande vendaval..Agora é recomeçar e não desistir. Parece que este texto foi escrito para mim. Obrigada.
    Beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar
  8. Célia, querida, adoro as estações e nãome importo nada que esteja frio.
    Beijo da Nina

    ResponderEliminar
  9. Olá,Célia!!!

    Tenha um ótimo dia minha querida!!!
    Cheio de amor ,paz e tranquilidade!!
    Beijos!!!

    ResponderEliminar
  10. Celia,vc sempre me encanta com esses belos poemas!Uma msg de muita esperança!Bjs e meu carinho!

    ResponderEliminar
  11. Fiz uma surpresa pra ti!

    Olha aqui: Acabei de publicar! beijos,obrigado,chica

    http://sementinhasparacriancas.blogspot.com/2012/02/conto-infantil-decisao-dos-peixes.html

    ResponderEliminar
  12. Celia,hoje vc tb está no Recanto!Bjs,

    http://recantodosautores.blogspot.com/2012/02/historias-de-embalar.html

    ResponderEliminar