terça-feira, 21 de novembro de 2017

Dragão

Célia Gil
     Estou triste, muito triste. Perdi o meu amigo, companheiro e fiel cãozinho Dragão. Um amigo que fazia parte da família há treze anos. É muito triste. Os animais têm uma vida demasiado breve para o amor que dão e a companhia que fazem. 

     Não escolhi o Dragão, foi ele que me escolheu. Passo a explicar: certo dia, entrei numa loja de animais para comprar comida para os peixes que tinha. Nunca tinha tido vontade de ter um cão. Era algo em que nunca tinha pensado, se bem que os meus filhotes, na altura pequeninos, me pediam para ter. Nesse dia, ao entrar na loja, onde havia mais clientes, estava um cãozinho solto pela loja. De imediato se acercou de mim e já não me largou. O Dragão escolheu-me para ser sua dona.
     Fiz uma surpresa aos meus filhos, tanto que o mais novo, quando viu o cãozinho, que parecia um peluche pequenino, em casa, me disse "tão giro, um cão a pilhas! Podes desligar mãe!". Nunca pensou que eu pudesse arranjar mesmo um cão a sério. Quando se apercebeu de que era verdadeiro, nunca mais o largou. Os meus filhos foram, sem dúvida, mais felizes com o Dragão. Um cão ensina muito. Ensina a perdoar, a amar, a respeitar. Nunca o deixamos, levamo-lo sempre connosco em todas as férias, para onde quer que fossemos. Escolhi sempre casas ou hotéis que permitissem a presença de animais, nem que fosse mais caro. Fomos muito felizes com ele e penso que ele também foi muito feliz.  connosco. Um animal humaniza-nos e torna-nos mais compreensivos. Faz-nos sentirmo-nos sempre amados. Sempre ansiando o nosso regresso a casa em cada final de dia de trabalho, sempre satisfeito por nos ver, sem nos fazer exigências, sem amuos, sem reclamações. Numa entrega total.

     O Dragão foi um cão muito querido, sempre a proteger os meus filhos, muito individualista, muito esperto, mas também afetuoso, e querido. Raramente ladrava. Com a patinha, chamava-nos para pedir água, comida ou para ir à rua.

     Ficarás, Dragão, para sempre na nossa memória.




Célia Gil / Professora

É professora de português e professora bibliotecária. Gosta de ler e de escrever. Este é o seu espaço de partilha de alguns textos que escreve.

1 comentários:

  1. Puxa,que triste isso,Sei bem como é e o que a família toda está sentindo. É um enorme vazio e as saudades só aumentam...Meus sentimentos e solidariedade nessa dor! bjs, chica e fica bem, o melhor que puderes!

    ResponderEliminar

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim