terça-feira, 11 de dezembro de 2012

As unhas da infância


               Imagem relacionada
                                            (imagem do google)

                 Hoje transpus-me para casa da minha madrinha, em África. A chave da memória não me permite ver o exterior, só o interior. Abro lentamente e vejo, à minha esquerda, a porta da cozinha aberta. Vejo-me a abrir o frigorífico para tirar um pouco de coco. Está fresco e sabe-me bem. Tenho um ar feliz. Vejo ainda chegar uma criada negra, muito bonita, mas não são as feições do seu rosto que vejo, são as unhas numas belas mãos esguias, unhas longas bonitas e pintadas. Eu e os meus primos escolhemos, cada qual, a sua unha e ela é tão nossa, tão meiga, que ter uma unha sua é um privilégio que nos enche a alma pequenina.
                Subo as escadas a correr e entro no quarto dos meus primos. Eles lêem banda desenhada e eu observo-os. Sempre me deu prazer observar as pessoas, estudar os sentimentos que transmitem em cada gesto, em cada relance de olhar, em cada palavra. Estou feliz! Tenho uns primos inteligentes! Eu sei que terão sucesso no futuro, porque o brilho dos seus olhos mo confessa, porque têm interesses, uma infância preenchida e uns pais que os adoram e farão tudo por eles. Sou, muitas vezes, a prima chata, mais nova, que têm de suportar por umas escassas horas. Mas sou feliz porque os tenho para os chatear, para os questionar ou apenas…para os observar.
                Fecho a porta e regresso, ultrapassando o espaço onde estou para estar com eles. O meu pensamento pousa-lhes uma mão no ombro para lhes dizer que tenho saudades destes tempos de infância, em que a nossa felicidade estava em coisas tão pequenas como na escolha das unhas de uma negra bonita. É incrível como pequenos pormenores nos marcam para sempre.
                                                                                                                            Célia Gil

6 comentários:

  1. Coisa boa estar contigo hoje na Africa, vendo e disputando as unhas da negra bonita e bem arrumada, com teus primos. Incomodando-os, olhando-os e sempre pensando e tirando tuas conclusões.

    Como é bom ter vivido pra poder olhar para trás e ver tantas coisinhas que pareciam pequenas, hoje , após tanto tempo, mostrando seu tamanho e importância,não é?

    beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. oi Celia,

    verdade minha amiga,
    pequenas coisas são as que deixam maiores marcas,
    adorei te ler...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. OBRIGADA PELA VISITA .TENHA UMA SEMANA DE LUZ.BJS

    ResponderEliminar
  4. Boa noite Célia uma linda história, sempre muito bom voltarmos à infância, adorei, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  5. Quantas barreiras vencemos
    no decorrer desse ano.
    Quantas ficaram para resolver
    no próximo ano.
    Quantos amizades eternas eu conquistei
    quantos se perderam no meio do caminho.
    Existe amizades eternas também as passageiras
    aquelas que enche nosso coração
    de alegria e depois parte.
    Enfim é quase Natal numa prece silênciosa
    permaneço orando com fidelidade por cada amigo(a)

    Desejo a você nesse Natal muita paz e muita luz.
    Não são os presentes que me fascina ,
    mais o aniversário de Jesus.
    Um abençoado final de semana.
    Beijos no coração e carinhos na alma.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga
    Vim agradecer sua carinhosa presença lá no meu cantinho.
    Eu vim também lhe oferecer dois selinhos, um de 700 seguidores e o outro com o desejo de Feliz Natal.
    http://www.mariaalicecerqueira.com/
    Abraço muito amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...