quarta-feira, 25 de abril de 2012

Conta-me histórias

Célia Gil


(imagem do google)

Quantas histórias na mente guardamos,
contadas, adormecidas, imaginadas,
reveladas, escondidas, sonhadas,
histórias que esquecemos, lembramos.

Conta-me histórias, avó, conta-me histórias!
Mesmo as que ouvi vezes sem fim,
deixa que escute tudo o que em mim
jaz no pó das minhas memórias.

Ainda que já as tenha ouvido,
parece sempre, sempre a primeira vez.
Vejo novos pormenores com mais nitidez,
descubro em cada uma um novo sentido.

Histórias que passam, vão e permanecem
numa dança de memórias rodopiante,
risos antigos baloiçam de forma constante,
ecos de momentos que não se esquecem.
                                                  Célia Gil

Célia Gil / Professora

É professora de português e professora bibliotecária. Gosta de ler e de escrever. Este é o seu espaço de partilha de alguns textos que escreve.

10 comentários:

  1. oi Celia,

    quanta saudade me deu agora,
    dá minha infância,
    quando toda noite fazíamos um momento de leitura em família...
    cada dia um escolhia a história...
    que delicia!!!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Quem não gosta de ouvir histórias? E depois, contar?

    Aqui, até Neno, gosta de contar, um amor!

    Linda tua poesia! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  3. Que volta ao passado vc me fez dar agora, lembro-me quando criança meu avô fazia uma roda de netos e contava as histórias que ele mesmo inventava, e todas com o mesmo personagem, sempre na mata, com bichos e gente, amei o texto, beijos e bom dia!

    ResponderEliminar
  4. Oi Célia,
    O poema é lindo e me fez lembrar dos contos de fadas que li e ouvi minha madrinha ler para mim.
    Beijos 1000 e uma 4ª-feira maravilhosa para vc.

    SORTEIO “Chá do Chapeleiro Maluco”
    http://www.gosto-disto.com/2012/04/sorteio-cha-do-chapeleiro-maluco.html

    ResponderEliminar
  5. Ah,como é gostoso ouvir histórias!Ainda mais de avó!Uma linda e terna poesia!Me fez recordar minha infancia!bjs,

    ResponderEliminar
  6. Eu adoro até hoje ouvir histórias, nossa me delicio e olha que já sou vovó, Célia um lindo poema que nos leva ao passado, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  7. Qué bonito poema, recordar historias contar lo vivido, me ha encantado.Besitos

    ResponderEliminar
  8. Que saudades dessas histórias. Hoje sou eu que as transmito à minha filha. Pena que já não são contadas à lareira, como no tempo da minha avó.

    Tenho um desafio no meu blog para ti. As perguntas são feitas por mim, por isso fico curiosa quantas às respostas que possas dar (se quiseres participar, é claro).

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Conta-nos histórias!
    Não penses que esqueci o projeto/promessa de um livro. Não esqueci, não!
    Beijo

    ResponderEliminar
  10. Coisa linda!
    Conta-me histórias!
    A gente volta a infância, e faz lembrar as historinhas que escutávamos repetidas vezes. Saudades desse tempo, que não volta mais!
    Amei teu poema!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim