domingo, 21 de janeiro de 2018

visto do céu

Célia Gil
Sebold, Alice (2002). Visto do Céu. Casa das Letras/Editorial de Notícias


Sobre o Livro
 «Susie, a narradora, é uma adolescente, que está morta quando o romance começa. E lá do céu resolve contar-nos como ali foi parar, vítima da brutalidade de um pacato vizinho, que a violou, a matou, a cortou em pedaços, que depois distribuiu por vários locais. Susie começa a observar, lá do céu, a vida na terra, e tenta modificar o destino daqueles que ama.» ( Webboom)

Visto do Céu, de Alice Sebold, aborda temáticas que nos fazem refletir: a vida, a morte, o perdão, a vingança, a memória e o esquecimento. A violação e morte (por um vizinho aparentemente inofensivo) de uma jovem de catorze anos é revoltante e provoca, nas personagens que ficam, os seus familiares, um sentimento de dor e frustração por não saberem o que aconteceu, como aconteceu, dado que nunca encontram o corpo, mas fragmentos… Por outro lado, confronta-nos com a ideia do pós-morte, levando-nos a questionar sobre o que haverá depois da morte, que poder têm os que morrem e que influência exercem sobre os que ficam.
Susie Salmon tem o olhar vivo e irrequieto dos seus catorze anos. Observa o desenrolar da vida: os colegas da escola, a família, o lento passar dos meses e das estações. Está tudo muito calmo, tudo parece muito acolhedor. Um único pormenor desmente tanta placidez: é que, de facto, Susie já morreu. Estranhamente, o céu parece-se muito com o recreio da escola, com os tradicionais baloiços que o caracterizam. Aos poucos, Susie compreende que é o centro das atenções: os colegas comentam os rumores sobre o seu desaparecimento, a família ainda acredita que ela poderá ser encontrada, o assassino tenta esconder as pistas do seu crime...

A autora compôs personagens distintas e com diferentes características, que comprovam a complexidade do ser humano.
Susie fala sobre as dificuldades que a sua família passa após a sua morte, nomeadamente o intenso sofrimento do pai, que tudo faz para tentar descobrir o assassino da filha; a frieza da mãe enquanto se envolve amorosamente com o detetive a quem entregam o caso do homicídio da filha; o amor e as saudades que a irmã sente, sendo a única que acredita nas suspeitas do pai, chegando ao ponto de, corajosamente, invadir a casa do Sr. Harver (o assassino) e encontrar provas que este era afinal o culpado…
Através da narradora, a vítima, vamos descobrindo outras vítimas… Como terão sido mortas? Serão estes crimes descobertos? O Sr. Harvey será devidamente condenado? São questões a que este livro nos vais dando resposta. Por isso, há que entrar e mergulhar a fundo nas investigações que se fazem ao longo das páginas deste livro.

Sobre a autora
O primeiro livro que Alice Sebold publicou chama-se Sorte e é um doloroso relato na primeira pessoa: uma memória da sua própria violação, por um colega da Universidade de Syracuse, obra que brevemente será editado em Portugal pela Casa das Letras. O Village Voice distinguiu-a, então, com um prémio de revelação. Posteriormente, começou a trabalhar no New York Times e no Chicago Tribune. Visto do Céu, no original The Lovely Bones, o seu primeiro romance, tem sido celebrado como um potencial clássico. Com mais de um milhão e 300 mil exemplares vendidos em dois meses, nos Estados Unidos, esteve cinco meses em primeiro lugar na lista dos títulos mais vendidos do New York Times. Já foi traduzido em dezoito línguas e Peter Jackson, o produtor da trilogia O Senhor dos Anéis, comprou os direitos cinematográficos. https://www.wook.pt/autor/alice-sebold/19960



                                                                                                    Célia Gil

Célia Gil / Professora

É professora de português e professora bibliotecária. Gosta de ler e de escrever. Este é o seu espaço de partilha de alguns textos que escreve.

0 comentários:

Enviar um comentário

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim