quarta-feira, 29 de junho de 2011

O amor que eu quero

Célia Gil
(imagem do Google)

Carta ficcional
                                                                                                                  Paris, 14 de Fevereiro de 1980


Meu querido,

Não quero palavras gastas.
Dizeres-me que me amas é demasiado banal para expressares o que dizes sentir.
Dizeres-me que me desejas era mencionares o óbvio, o que os meus olhos veem e os meus dedos sentem.
Quero antes a palavra mágica, capaz de se libertar da folha de papel para me dar um beijo na ponta do nariz.
Quero uma palavra única, que me sussurre ao ouvido e depois se esvaia por entre os arbustos, libertando sementes de esperança, de fé, de confiança.
Quero uma palavra que me abra o primeiro botão da blusa e se aloje no meu colo para sempre.
Quero uma palavra que me espere todos os dias ao fundo da rua e me envolva numa onda de aconchego no meu regresso a casa.
Quero uma palavra que me arrepie a nuca, me faça tremer de prazer, mas que infunda confiança, respeito e admiração.
Mas as palavras, como tu tão bem sabes, leva-as o vento, deixando apenas a sua ausência em crateras de distância e estrepitosos abismos (des)humanos.
E as palavras gastas nada dizem, são ocas e sem essência, bolas de neve vazias, balões efémeros que sobrevoam os nossos ouvidos, mas que passam em direcção ao nada.
Sem mais me despeço e te peço: responde-me apenas se tiveres descoberto a palavra mágica que quero ouvir e partilhar contigo.

                                                                                                                                           Com amor,
                                                                                                                                   A tua mais que tudo


Célia Gil


Célia Gil / Professora

É professora de português e professora bibliotecária. Gosta de ler e de escrever. Este é o seu espaço de partilha de alguns textos que escreve.

11 comentários:

  1. Nossa que missiva mais profunda, naufraguei nela...bom dia minha doce amiga... senti teu perfume em minha Ilha... vim te perguntar se vais participar da 5ª edição do pena de ouro, a primeira seleção se encerra amanhã é só mandar a poesia... Ah! e já fostes no ostra pegar o teu selo presente? teu blog faz parte da galeria dos BLOGS POÉTICOS... que teu dia seja cheio de afagos e sorrisos! beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Maravilhosa carta, cheia de sentimentos!Linda!beijos,chica

    ResponderEliminar
  3. uau!.. que intensidade nas tuas lindas palavras..
    beijos perfumados..

    ResponderEliminar
  4. Olá Célia, linda essa carta de amor, que espero que a quem é dedicada a saiba apreciar. Tony de Matos o eterno romântico da canção dos meus tempos de juventude. Adorei. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  5. Oi, Celinha
    Palavras gastas, clichês, lugares comuns.... Tudo isso não faz parte de um amor verdadeiro. Fez bem em exigir originalidade. Belo texto, amiga.

    Beijokas com super carinho!
    http://alemdasnuvens2011.blogspot.com
    http://amadeirado.blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. Uma linda carta e que tenha enviado a mensagem de forma que as palavras que tanto espera cheguem suave e acomodem-se para sempre no seu colo querida.
    Beijos,
    Carla
    ;D

    ResponderEliminar
  7. Perdoa-me...
    Mas hoje eu quero ouvir violinos.
    Liberar meus pensamentos,
    Na orla macia dos ventos!

    Baroneto

    Beijos e um belo amanhecer! M@ria

    ResponderEliminar
  8. Bom dia,Célia!!

    Que belíssima carta!!A intensidade dos sentimentos, plenos de amor!!!

    Beijos pra ti querida!!

    ResponderEliminar
  9. Bom dia amiga, vim agradecer a voce por sua linda presença no meu cantinho e fazer parte dos meus 200 seguidores! Venha pegar o selinho dos 200 seguidores que eu fiz com muito carinho. Tenha um lindo dia
    Abraço amigo!
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  10. Ufa, eu também quero isso tudo,srsrsr....obrigada por sua passagem pelo meu blog. Volte sempre! Foi um imenso prazer.

    ResponderEliminar

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim