segunda-feira, 26 de março de 2012

Aliteração da borboleta


(imagem do google)

Suave, solta, sinuosa,
a borboleta bamboleia-se
em celestiais céus cinza.
Soltas asas desenvoltas
contornam canteiros,
refrescam-se em frescas flores,
toque de tule translúcido
que roça rente ao rosto
iluminando a alma leve,
bela borboleta breve…
                               Célia Gil


10 comentários:

  1. Adoro borboletas e tu falaste tão lindamente delas aqui nessa poesia!Traduziste a beleza e leveza!beijos,linda semana!chica

    ResponderEliminar
  2. Olá Célia, lindo poema e com a leveza da borboleta. Adorei. Beijos com carinho

    São tão lindas e airosas
    As borboletas no ar
    São belas e tão formosas
    Que até parecem dançar.

    ResponderEliminar
  3. Célia, com tal poema, os meninos vão reconhecer facilmente a aliteração.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Adorei o seu poema, a repetição das consoantes foi muito bem colocada. A construção das suas poesias partem não somente para a estética, mas também para a técnica. (:

    Muito bom mesmo.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  5. Lindo poema!
    Bom início de semana.
    Gd beijo

    ResponderEliminar
  6. oi Célia,

    muito suave e leve as suas palavras,
    parecem acompanhar o voo e o pousar
    da borboleta...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Minha querida

    Um poema suave e doce, com o perfume da Primavera...ADOREI.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  8. As borboletas me fascinam... Ficou lindo o poema... beijos

    ResponderEliminar
  9. Oi Célia,
    Adorei o poema. Eu adoro borboletas. Qdo eu era criança achava que eram flores que voavam, acho isto até hj.
    Beijos 1000 e uma noite maravilhosa para vc.

    www.gosto-disto.com

    ResponderEliminar
  10. Bonitas palabras.
    Saludos desde Perú.
    David

    ResponderEliminar