terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A minha memória

Célia Gil
(imagem do Google)



No último degrau da escada
sentei a minha memória,
que começou a contar a história
de uma vida passada.

E a memória sentou-se ao lado
de todos quanto amei,
conversou com eles como eu conversei
num tempo ultrapassado.

Deu as mãos aos meus amigos,
suplicou-lhes uma aventura
vivida nessa nossa infância pura,
tempos perdidos, esquecidos…

Passou a mão pelo rosto dos mais novos
primos, amigos, vizinhos…
fê-los sorrir com os carinhos
que eram, nessa época, tão nossos!

Pousou o pé hesitante
naquele chão que pisávamos
nos momentos em que nos encontrávamos
para um dia emocionante.

Sorriu ao ver-me passar
de mão dada com a avó
nunca triste, nunca só,
sempre correr e a saltar.

A minha memória reviveu momentos,
conseguiu observar tudo
o que estava quieto e mudo
no vão da escada de outros tempos.

Peguei-lhe, então com cuidado,
para não a perder,
e nunca mais esquecer,
tudo o que havia observado.
                                            Célia Gil

Célia Gil / Professora

É professora de português e professora bibliotecária. Gosta de ler e de escrever. Este é o seu espaço de partilha de alguns textos que escreve.

1 comentários:

  1. Lindas recordações não se esquecem. Perduram na alma ao longo da vida. Adorei. Beijos com carinho

    ResponderEliminar

Coprights @ 2017, Histórias Soltas Presas Dentro de Mim Designed By Templatein | Histórias Soltas Presas Dentro de Mim